Barra
Connect with us

Geral

Cresce número de brasileiros sem água potável no Brasil

Published

on

O número alarmante saltou de 5 milhões de pessoas em 2021 para 35 milhões neste ano

O número de brasileiros sem acesso à água potável no Brasil aumentou catastroficamente neste ano. Saltou de 5 milhões de pessoas em 2021 para 35 milhões neste ano. Os dados são do Instituto Trata Brasil. Quando lançamos um olhar sobre a coleta de esgoto, os números são ainda maiores, passaram de 21,7 milhões para 100 milhões de brasileiros no mesmo período.

No Brasil, o saneamento básico é um direito assegurado pela Constituição e definido pela Lei nº. 11.445/2007 como o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza e drenagem urbana, manejos de resíduos sólidos e águas pluviais.

Recortando este cenário, uma em cada quatro mulheres no país não têm acesso a água tratada ou não é abastecida com regularidade, na região norte e nordeste o número dobra, uma a cada duas mulheres não recebe água tratada. Entre as crianças e adolescentes, mais de 3,6 milhões não têm água dentro de casa e mais de 8 mil escolas sofrem com a escassez no fornecimento.

Em resposta a números tão negativos, a busca por iniciativas pública-privadas têm crescido no Brasil. Projetos e soluções apresentados por startups nacionais ganham relevância e são alternativas sustentáveis para um avanço significativo, principalmente nas cidades mais críticas.

PWTech – Fundada em 2019, a startup tem como proposta uma solução inovadora que possibilite levar água potável para as regiões mais remotas e carentes do Brasil. Graças a uma tecnologia eficiente, de baixo custo, fácil instalação e portátil, a PWTech garante 100% de purificação da água contaminada com turbidez até 15 NTUs.

Apesar de ser uma empresa nova, a PWTech acumula inúmeras premiações, entre elas: 1º lugar no DemoDay, do BrazilLAB; 1º lugar no InovAtiva Brasil; 1º lugar na categoria Água e Saneamento do Ranking 100 Open Startups 2021; é vencedora do Prêmio Startup do 13º Fórum de Inovação e Tecnologia da Câmara de Comércio Internacional França-Brasil de São Paulo (CCIFB-SP)

“Estes equipamentos podem ser usados de forma concentrada, em um único ponto de tratamento de água, ou distribuídos em pontos estratégicos. Os purificadores possuem tecnologia plug and play e podem começar a operar imediatamente”, afirma Fernando Silva, sócio-diretor da PWTech.

Safe Drinking Water for All. A startup de Salvador (BA) desenvolveu uma tecnologia que usa energia solar e filtro de sisal para tratamento e potabilização de água proveniente de cisternas ou de outros reservatórios de pequeno porte. A empresa é liderada por Anna Luísa Bezerra, formada em Lideranças de Novos Empreendimentos pelo MIT e estudante de Biotecnologia.

Projeto Mudas – Criado pelo técnico em agronomia Kevin Brasil, trata-se de um sistema que combina irrigação de baixo custo e alta eficiência aliada a um sensor de umidade do solo. A ideia surgiu em Iguatu (CE) e foi testada com 15 famílias de produtores que vivem no semiárido brasileiro.

Mas se o país tem tantos problemas no setor e soluções (baratas) para melhorar a qualidade de vida de milhões de brasileiros, porque os projetos não avançam? Segundo especialistas, porque enfrentam burocracias com processos licitatórios, desinteresse dos fundos de investimento e quase ausência de programas de incentivo. Sem falar de dores específicas do setor, como as dificuldades técnicas e financeiras para desenvolver as soluções ou vendê-las de forma escalável.

Atualmente, São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, tem o melhor indicador de água potável no estado, com 100% da população com acesso ao recurso. Santos também tem o menor índice de perda de água durante a distribuição aos moradores: 14%. Só perde para Nova Iguaçu (RJ), que tem 6,05%; logo atrás está Limeira, com 18,88%.

As cidades mais prejudicadas com a falta de água potável e saneamento básico no Brasil são Macapá (AP) onde apenas 37% da população possui acesso a água e 10,78% ao saneamento básico, seguido de Porto Velho (RO), Santarém (PA), Rio Branco (AC) e Belém (PA).

Continue Reading
Advertisement

Geral

Fundação Paulistana: Vinte anos transformando vidas e criando oportunidades

Published

on

A Fundação Paulistana de Educação, Tecnologia e Cultura, entidade da administração indireta da Prefeitura de São Paulo, vinculada à Secretaria de Governo Municipal, está celebrando 20 anos de atuação.

Foto: Felipe Damper


Sua missão é promover a educação profissional, o trabalho e a cultura, visando o desenvolvimento social, cultural, tecnológico, territorial e econômico solidário, especialmente nas áreas mais periféricas da cidade de São Paulo.
Ao longo dessas duas décadas, a Fundação Paulistana tem sido um pilar essencial para a formação profissional e a inserção no mercado de trabalho de milhares de paulistanos.


Suas atividades de ensino, pesquisa e extensão alinham-se com as demandas da população e as políticas públicas do Executivo Municipal, contribuindo significativamente para o desenvolvimento metropolitano.

Parcerias Estratégicas e Iniciativas Transformadoras


Uma das recentes conquistas da Fundação Paulistana é a renovação da parceria com o Instituto Capim Santo para o programa Cozinha Escola. Este programa, focado no eixo da gastronomia, visa capacitar 4.000 munícipes através de cursos, workshops e treinamentos práticos. A iniciativa busca desenvolver habilidades essenciais para ingressar no mercado de trabalho e fomentar o empreendedorismo no setor gastronômico.


“Estamos muito entusiasmados em renovar nossa parceria com o Instituto Capim Santo para capacitar mais munícipes na área da gastronomia,” afirma Juliano Pasqual, diretor geral da Fundação Paulistana.


Liderança e Compromisso


Juliano Pasqual, que recentemente assumiu a direção geral da Fundação Paulistana, tem sido uma força motriz na ampliação e fortalecimento das iniciativas da instituição. Com uma visão estratégica e um profundo compromisso com a inclusão social e a geração de oportunidades, Pasqual tem liderado a Fundação em uma nova era de crescimento e impacto social.

“A assinatura desses termos representa um passo significativo na nossa missão de preparar os cidadãos de São Paulo para os desafios do mercado de trabalho,” destaca Pasqual.
 
O Futuro: Qualificação e Desenvolvimento


Com um investimento público de R$ 48 milhões destinado a projetos de qualificação profissional, a Fundação Paulistana está preparada para continuar sua trajetória de sucesso, oferecendo cursos gratuitos em diversos setores, como Comércio e Varejo, Economia Criativa, Indústria, Saúde, Tecnologia e Inovação, entre outros. A expectativa é que essas ações resultem na certificação de milhares de munícipes, promovendo a elevação de suas competências técnicas e comportamentais e garantindo sua inserção produtiva no mercado de trabalho.


São Paulo: A Cidade das Oportunidades


Com iniciativas como estas, a Fundação Paulistana reafirma seu compromisso em transformar vidas e reduzir desigualdades, consolidando São Paulo como a cidade das oportunidades. A parceria sólida com a Prefeitura de São Paulo é fundamental para o sucesso de seus projetos, permitindo que cada vez mais paulistanos tenham a chance de alcançar seus sonhos e construir um futuro melhor.


Para mais informações sobre os programas e iniciativas da Fundação Paulistana, visite nosso site ou siga-nos nas redes sociais.
 
AF Conexão- jornalista responsável Andrea Feliconio.

Continue Reading

Geral

SIS oferece curso de qualificação para professores

Published

on

By

Realizado no começo de junho, o programa terá mais de 10 opções de cursos para os profissionais da educação

 Nesta sexta-feira (07), a Swiss International School (SIS), um dos maiores e mais antigos conglomerados de educação privada europeu, promove o evento Professional Development para os mais de 200 docentes brasileiros do grupo. A iniciativa ocorre no Windsor Barra Hotel, localizado no Rio de Janeiro, com direito a uma série de workshops pensados para o aprimoramento, formação e qualificação dos professores. 

A abertura contou com uma sessão de boas-vindas conduzida por Carolina Vieira, CEO do grupo SIS Brasil. Depois disso, haverá uma palestra “Inteligência Artificial em Sala de Aula”, que terá como porta-voz a jornalista e especialista em inovação Dora Kaufman. Dora tem como missão inserir a IA em temas críticos à sociedade e é  professora do Programa Tecnologias da Inteligência e Design Digital da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (TIDD PUC-SP).

Após a palestra, os professores seguirão para a Escola Nova by SIS,  para o início de mais um módulo de treinamento, que terá uma série de atividades e workshops pensados nas tendências atuais. Cada professor escolheu três cursos diferentes para participar. Os workshops contam com especialistas convidados, oferecendo um momento aprofundado de aprendizado. Os cursos permeiam diversos temas e repertórios que visam contribuir para a formação docente, entre eles: 

  • Desafios na sala de aula: pensando as relações no processo ensino-aprendizagem;​
  • Sustentabilidade e ESG​;
  • Infância e a dimensão estética;
  • Criança, Tecnologia e Arte; ​
  • Gamificação​;
  • Mindfulness e a comunicação não violenta para educadores​;
  • Bilinguismo e diferenciação​;
  • Raising students outcomes in writing (Melhorar os resultados na escrita dos estudantes).

Carolina Vieira destaca a intenção de fortalecer o ensino e os vínculos estudantis: “O Professional Development foi pensado para melhorar a formação do nosso corpo docente, transformando nosso ensino e aprofundando as relações entre os profissionais, para um ensino mais entrosado e atualizado”.

A SIS Swiss International School é um grupo colegial com unidades na Suíça, Alemanha e Brasil. Com um ensino voltado para a formação de alunos bilíngues, as escolas são qualificadas com o IB Diploma, um certificado reconhecido em diversas universidades ao redor do mundo. 

Continue Reading

Geral

Amor e Autismo: neurologista Dr. Matheus Trilico explica os desafios e possibilidades nos relacionamentos amorosos

Published

on

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) não é um impedimento para a vida amorosa. Independentemente do grau do TEA, relacionamentos afetivos são possíveis e podem ser experiências incríveis e enriquecedoras. No entanto, é fundamental respeitar as vontades e necessidades individuais de cada pessoa, pois nem todos com TEA desejam se envolver romanticamente.


Adultos com TEA podem enfrentar desafios únicos em seus relacionamentos amorosos, como dificuldades na comunicação e interação social.


“Para um relacionamento saudável e duradouro, é essencial estabelecer uma comunicação clara e objetiva. Isso ajuda a fortalecer os laços do casal e a evitar mal-entendidos”, explica o Dr. Matheus Trilico, neurologista referência em Autismo e TDAH em adultos no Brasil. “


Além da comunicação, o neurologista ressalta que o respeito mútuo e o consentimento são pilares fundamentais em qualquer relacionamento, especialmente quando um ou ambos os parceiros têm TEA. É importante estabelecer regras e limites claros, levando em consideração as necessidades sensoriais e emocionais de cada indivíduo.


Segundo Dr. Matheus, por exemplo, se um parceiro com TEA tem dificuldade com contato físico prolongado, é essencial que o outro parceiro respeite esses limites e encontre formas alternativas de demonstrar afeto, como palavras de carinho ou gestos claros.


“A interação social também desempenha um papel crucial nos relacionamentos amorosos. Para pessoas com TEA, expressar sentimentos pode ser um desafio, por isso é importante criar um ambiente seguro e acolhedor onde ambos os parceiros se sintam à vontade para compartilhar suas emoções e pensamentos”, enfatiza o neurologista, que é referência no assunto.

O médico fala também que, nos últimos anos, tem havido uma maior conscientização sobre as necessidades dos adultos com TEA, o que levou ao desenvolvimento de serviços e produtos específicos para esse público. Os aplicativos de relacionamento, por exemplo, podem ser uma ferramenta útil para conectar pessoas com interesses e experiências semelhantes, permitindo uma compreensão mútua antes mesmo do contato físico.


Dr. Trilico cita o exemplo de Sarah (nome de paciente fictício), uma mulher de 28 anos com TEA: “Ela conheceu parceiro atual através de um aplicativo de namoro, pois era impensável iniciar um relacionamento conversando diretamente com a outra pessoa. Finalmente, quando se encontraram fisicamente, a surpresa foi grande. Ambos estavam no espectro! Sarah disse ter sido reconfortante saber que estavam na mesma situação desde o início e que podiam ser eles mesmos, sem medo de julgamentos”.
 
Para Dr. Matheus não há uma fórmula única. Cada indivíduo e cada relacionamento é único. O mais importante é ser fiel a si mesmo, respeitar seus próprios limites e se abrir para a conexão emocional em seu próprio ritmo.


“O amor é a base da vida. E com atitudes positivas e entendimentos verdadeiros, os relacionamentos serão uma experiência única e de crescimento mútuo. Viva do Dia dos Namorados”, completa o neurologista.

Dr. Matheus Luis Castelan Trilico – CRM 35805PR, RQE 24818.


– Médico pela Faculdade Estadual de Medicina de Marília (FAMEMA);


– Neurologista com residência médica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR);


– Mestre em Medicina Interna e Ciências da Saúde pelo HC-UFPR;


– Pós-graduação em Transtorno do Espectro Autista.

Continue Reading

Trending

Copyright © MoneyFlash - Todos os Direitos Reservados. Site Parceiro do Terra