Barra
Connect with us

Notícias Corporativas

Cresce o número de ‘superendividados’ no primeiro semestre

Published

on

Segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), chega a 20,8% o número de pessoas que compromete mais de 50% da renda em dívidas no Brasil, chamados de ‘superendividados’. São as principais causas que explicam este fenômeno o empréstimo consignado, com 32,39%, e o pessoal, com 59,74%  Em seguida, cartões de crédito com percentual de 63,66%; dívidas negativadas, 30%; e cheque especial, 6,37% são os que mais prejudicam os consumidores.

Para Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor da Multimarcas Consórcios, uma alta taxa de juros prefixada pela Selic (10,5%) faz com que os bancos multipliquem essa porção em até três vezes, o que acarreta superendividamento aos indivíduos que tomarem emprestado às instituições financeiras: “Este não é um bom momento para recorrer ao crédito com juros no Brasil. Há uma série de movimentos recessivos no mundo que fizeram as taxas dos bancos em todo o mundo subirem. O problema é que há uma parcela da população que acaba dependendo justamente dessa modalidade de empréstimo para sobreviver”.

Com uma receita média de R$2979, muitos cidadãos recorrem aos grandes bancos para poder manter as contas em dia. Estima-se que o valor ideal para viver no Brasil esteja em R$5657,66. Milhares de brasileiros se acostumaram a usar a extensão do cartão de crédito como complemento de salário, o que é completamente utópico.

As circunstâncias podem piorar se, em 2025, houver um aumento da taxa Selic. Assim, as pessoas que já estão em condições ruins podem se comprometer ainda mais. Em agosto de 2023, esta se prefixou em 13,75%; naquele momento, era uma das mais altas do mundo.

Lamounier explica que uma das prioridades para este público é quitar o saldo devedor com as instituições financeiras, porém, para que isso ocorra, recorre-se a uma segunda jornada de trabalho para compor uma  renda extra e assim destinar parte do crédito a esta finalidade: “O cenário não está fácil para as pessoas que ganham até três salários mínimos. Tem de se considerar que há no Brasil uma informalização de trabalhos e um crescimento da demanda no setor de serviços. Ou seja, a qualidade dos trabalhos disponíveis no mercado não é tão boa para quem tem de fazer renda para sanar as pendências. Mesmo assim, a saída que muitos encontram é na informalidade para poder fazer dinheiro e sobreviver”.

Para esclarecer ainda mais o cenário, o especialista separou algumas dicas que ajudarão neste processo, são estas:

Elabore um orçamento: 
Controle seus gastos mensais, identificando despesas essenciais e supérfluas. Use planilhas ou aplicativos de finanças pessoais para monitorar seu fluxo de caixa.
Defina metas financeiras: estabeleça objetivos claros, como quitar dívidas ou economizar para emergências, e siga um plano para alcançá-los.

Evite o Uso Excessivo do Crédito:
Cartão de crédito com moderação: utilize o cartão de crédito apenas para compras planejadas e nunca como uma extensão do seu salário.
Cuidado com o cheque especial: evite usar o cheque especial, pois os juros são extremamente altos e podem aumentar rapidamente sua dívida.

Busque Alternativas de Renda:
Trabalho freelancer: considere atividades freelancer ou bicos que possam complementar sua renda sem comprometer seu bem-estar.

Economia colaborativa: participe de iniciativas como caronas compartilhadas ou locação de bens que não são usados frequentemente.

Negocie suas Dívidas:

Renegociação: entre em contato com seus credores para negociar prazos e taxas de juros mais favoráveis. Muitas instituições oferecem condições especiais para clientes com dificuldades financeiras.
Consolidação de dívidas: avalie a possibilidade de consolidar suas dívidas em uma única, com uma taxa de juros mais baixa.

Educação Financeira:

Cursos e workshops: participe de cursos e workshops sobre educação financeira para melhorar seu entendimento sobre como gerenciar suas finanças.
Leitura e pesquisa: mantenha-se informado através de livros, blogs e vídeos sobre finanças pessoais e investimentos.

Construir uma Reserva de Emergência:

Poupança: reserve parte de sua renda mensal para uma poupança de emergência, garantindo uma rede de segurança em caso de imprevistos.
Investimentos: explore opções de investimento de baixo risco para fazer seu dinheiro render e proteger-se contra crises financeiras.

Cuide da Saúde Mental:

Equilíbrio emocional: o estresse financeiro pode afetar sua saúde mental. Procure apoio psicológico se sentir que o endividamento está impactando negativamente sua vida.

Rede de apoio: converse com familiares e amigos sobre suas dificuldades financeiras. Eles podem oferecer apoio emocional e até mesmo soluções práticas.

Continue Reading
Advertisement

Notícias Corporativas

Um terço das pequenas empresas opera sem conta jurídica

Published

on

By

Métodos alternativos de pagamento ganham relevância no segmento responsável por 30% do PIB brasileiro

O Dia Internacional das Micro, Pequenas e Médias Empresas, comemorado em 27 de junho, destaca a relevância do segmento para a economia. De acordo com o Sebrae, os pequenos negócios – somados aos microempreendedores individuais (MEIs) – movimentam cerca de R$ 420 bilhões ao ano. O montante corresponde a 30% do PIB brasileiro.  

Outro dado do Sebrae, com base no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), estima que o Brasil tenha pelo menos 2.300 novas MPEs abertas a cada dia. Entretanto, um número significativo opera sem conta bancária para Pessoa Jurídica (PJ), enfrentando desafios para manter operações financeiras em funcionamento.

Segundo a pesquisa Indicador Nacional de Atividade da Micro e Pequena Indústria, do Datafolha, 28% das empresas funcionam sem conta bancária de Pessoa Jurídica (PJ); entre microindústrias a porcentagem atinge 33%. O levantamento aponta São Paulo como o município com a maior taxa de empresas informais: um terço opera sem conta PJ.

Para Cristiano Maschio, CEO da fintech Qesh, a desbancarização reflete dificuldades econômicas e questões burocráticas enfrentadas por esses empreendimentos: “Muitas PMEs têm dificuldade para abrir contas devido a requisitos de documentação e histórico financeiro. Além disso, taxas elevadas associadas às contas bancárias podem ser um fardo significativo para empresas de menor porte”.

Conforme levantamento do Datafolha, 69% das empresas desbancarizadas faturam até R$ 15 mil por mês. Outra preocupação é a probabilidade de fechamento no curto prazo: 72% apresentam maior risco de fechamento em comparação com as que possuem contas de pessoas jurídicas.

“A falta de uma conta bancária formal pode impactar negativamente a capacidade das empresas de acessar crédito, realizar transações comerciais e expandir operações de forma estruturada”, ressalta Maschio.

Alternativas

Em meio aos desafios, métodos alternativos de pagamento despontam entre empresas desbancarizadas. Ainda de acordo com o Datafolha, 87% utilizam contas pessoais – pessoa física – para movimentar recursos da empresa, embora a prática possa gerar confusão entre finanças particulares e empresariais.

Soluções como contas digitais e cartões pré-pagos, oferecidos por fintechs, também são uma opção viável para PMEs. Conforme relatório compilado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pela Finnovista, o número de fintechs quadruplicou nos últimos seis anos na América Latina. A maioria, 57%, tem como alvo a população desbancarizada.

“Enquanto muitas pequenas e médias empresas no Brasil enfrentam desafios ao operar sem uma conta bancária de pessoa jurídica, o cenário está mudando com a introdução de soluções digitais. A busca por maior inclusão financeira e a simplificação dos processos burocráticos são essenciais para apoiar o crescimento sustentável desses empreendimentos no país”, afirma o CEO da Qesh.

Continue Reading

Notícias Corporativas

Campanha CLDF – Disque 100 “Seja a voz de quem não sabe falar”

Published

on

By

A cada hora, três crianças são abusadas no Brasil.

Mais de 70% desses casos acontecem dentro de suas próprias casas. A Câmara Legislativa do Distrito Federal atua para proteger as crianças e adolescentes do DF.

O tema é muito sensível, uma vez que os dados alarmantes apontam que a grande maioria das vezes o abusador é o próprio pai, tio ou outros parentes. O receio de a denúncia destruir o lar pode colaborar para que o crime fique oculto.

Ações precisam ser tomadas e a identificação dos sinais que as crianças e adolescentes emitem ao passar por situações de abuso é um item primordial da comunicação com o intuito de impedir o aumento e a continuidade dos casos.

A campanha publicitária, criada pela agência Calia, promove o debate e incentiva a denúncia através do serviço “Disque 100”. O conceito “Seja a voz de quem não sabe como falar” motiva os adultos a tomarem a responsabilidade de proteger os abusados.

A campanha é composta por filme para TV, spot de rádio, mídia exterior (DOOH e OOH), além de peças para a Internet. A campanha veicula a partir de junho de 2024.

Link do vídeo – Campanha: https://www.youtube.com/watch?v=5IsGcO2gpOA

FICHA TÉCNICA

Cliente: CLDF (Câmara Legislativa do Distrito Federal)

Agência: Calia

Campanha: Combate ao Abuso Infantil

Direção de Criação: Geisa Lopes    

Codireção de criação: Alexandre Ferro e Maurício Oliveira

Direção de Arte: Livia Roma

Redator: Maurício Oliveira e Gabriel Abreu

Atendimento: Cláudia Lassance, Cláudio Abreu, Ludmila Queiroz e Camila Sanglard

Aprovação no cliente: Cleyton dos Santos e Daniel Galindo

Mídia: Mayko Chaves, Andryella Capone, Luanna Lopes e Gabriela Oliveira

Diretor de Produção: Marcos Araújo

Gestora Operacional de Produção: Fernanda Machado

Produção gráfica e RTV: Fernanda Machado e João Bosco

Produção digital: Lucas Xavier

Produtora de vídeo: Black Bull Filmes

Diretor de cena: Diego Fonseca

Assistente de direção: Leonardo Antônio Cardoso

Atendimento: Welington Ribeiro

Coordenador de produção: Bruno Fleck

Coordenador de pós-produção: Fábio Mesquita

Edição: Giancarlo De Lucca

Finalizador: Giancarlo De Lucca

Color: Jalles Silva

Produtora de áudio: Stormlab

Diretor: Julio Lima

Coordenador de produção: Julio Lima

Atendimento: Welington

Arranjador: Junio Cesar

Engenheiro de som: Julio Lima

Continue Reading

Notícias Corporativas

86% dos brasileiros preferem trabalho híbrido ou remoto, aponta estudo

Published

on

By

Um estudo recente intitulado “Gerações”, desenvolvido pela Croma Consultoria, parte do Grupo Croma, revela uma clara preferência dos brasileiros pelos modelos de trabalho híbrido ou home office. Os dados coletados mostram que 86% dos entrevistados preferem essas modalidades de trabalho, enquanto apenas 14% são adeptos ao tradicional modelo presencial, que enfrenta um alto índice de rejeição entre todas as gerações, do Baby Boomer à geração Z.

O estudo destaca que 44% dos brasileiros têm preferência pelo trabalho híbrido, combinando a flexibilidade do home office com a interação presencial ocasional. Os que mais preferem esse modelo híbrido são da geração Baby Boomer (53%), demonstrando que os brasileiros dessa faixa etária estão cada vez mais abertos a novas formas de trabalho. Além disso, 42% dos entrevistados gostariam de trabalhar exclusivamente em casa, o que reforça a tendência crescente de adoção do home office.

Para o fundador do Grupo Croma e idealizador do estudo, Edmar Bulla, a preferência por modelos flexíveis de trabalho está diretamente ligada a qualidade de vida: “O trabalho remoto trouxe diversos benefícios à vida dos brasileiros como mais tempo com a família, mais disposição para atividades fora do trabalho como academia, estudos e atividades de lazer, menos tempo no transporte público ou no trânsito, maior sensação de segurança, mais qualidade de sono e descanso, além de garantir melhores condições de trabalho para quem exerce funções que não permitem trabalho remoto e precisam passar pelos estresses diários de trânsito, transporte público e afins, gerando mais qualidade de vida aos trabalhadores de modo geral.

A pesquisa também desmistifica o preconceito de que os Baby Boomers são resistentes à tecnologia. Pelo contrário, essa geração se mostra confiante em relação às inovações tecnológicas, que são vistas como facilitadoras do cotidiano e geradoras de novas oportunidades. Esse dado desafia a visão tradicional de que os Baby Boomers são pouco adaptáveis às novidades tecnológicas.

Por outro lado, a geração Z, que cresceu em um mundo altamente digital, demonstra uma postura mais neutra em relação às tecnologias on-line. No entanto, essa geração é reconhecida por sua capacidade de se adaptar rapidamente às novidades, refletindo a familiaridade com interfaces tecnológicas desde cedo.

“A pandemia de Covid-19 foi fundamental para impulsionar a geração Baby Boomer no uso constante de tecnologias, principalmente no ambiente de trabalho devido ao home office. Isso demonstrou uma clara capacidade de aprendizado e adaptação dos profissionais mais experientes, que agora estão cada vez mais aptos a exercer funções que dependem de ferramentas avançadas e a trabalhar de forma remota”, acrescenta Edmar Bulla.

Alex Araújo, CEO da 4Life Prime – líder em saúde e segurança do trabalho – explica que as mudanças nas metodologias de trabalho devem seguir uma série de processos, para que o colaborador tenha resguardo fiscal e boas ferramentas ao seu dispor: “O home office tem ganhado o coração de diversos profissionais, independente da idade, pela facilidade de equilibrar a vida pessoal e profissional. Existe um ganho claro de qualidade de vida, mas, um fator que não pode ser esquecido, é o cuidado com a saúde, sendo necessária a realização de atividades laborais para o exercício da profissão em casa, como alongamentos entrelaçados, apoio na parede e liberação do ombro sentado”, completa Araújo.

Essas mudanças no mundo foram e continuam sendo determinantes no comportamento dos brasileiros. Ainda de acordo com o estudo, cada geração aponta o que considera mais importante diante de modelos flexíveis de trabalho e inovações tecnológicas.

A geração Z classifica que o trabalho híbrido seria perfeito, pois é importante ter contato com pessoas, mas o on-line traz mais benefícios. A geração Y relata que modelos mais flexíveis de trabalho e inovações tecnológicas oferecem mais tempo para dedicar aos estudos e crescer na carreira. A geração X afirma que se sente feliz com trabalho híbrido ou home office e que precisa se adaptar aos sistemas oferecidos por novas tecnologias. Já os Baby Boomers declaram que as inovações tecnológicas auxiliam a não ficar parado e continuar aprendendo.

“O estudo revela um panorama de transformação nas preferências de trabalho e na assimilação de inovações tecnológicas entre diferentes faixas etárias no Brasil. A crescente aceitação e confiança nas tecnologias, especialmente entre os Baby Boomers, e a predisposição da Geração Z em lidar com novidades tecnológicas, indicam um cenário promissor para o futuro do trabalho e da inovação no país”, conclui Edmar Bulla.

Sobre o estudo Gerações

Foram 1.041 brasileiros entrevistados entre 22 de março e 1 de abril de 2024 acima dos 16 anos de idade, de diferentes raças, orientações sexuais, classes sociais em todo território nacional, a fim de levantar dados de comportamento das gerações brasileiras. O estudo aborda temas variados como trabalho; educação; mobilidade e transporte; tendências de consumo; finanças; saúde e bem-estar; moradia; lazer e entretenimento; e relações sociais e afetivas. Os resultados são ponderados para representar o total da população brasileira e possuem a margem de erro de 3 p.p. para cima ou para baixo com nível de confiança a 95%.

Continue Reading

Trending

Copyright © MoneyFlash - Todos os Direitos Reservados. Site Parceiro do Terra